O Acordo de Leniência não tem avanços, e os clubes e o governo são geridos sem interferência em dívidas.

0
10

31. A data máxima fixada pelo Governo de Paraise para um acordo de leniência a celebrar, o reconhecimento dos clubes sobre a pretensão em relação à alegada discrepância com o Programa Gol de fundos foi a data máxima para Dezembro. Chegou o dia, então ge Paraíba reportagem foi assegurada, nada foi definido entre os acordos e a comissão responsável, que inclui o controle estatal do Estado, a autoridade do agente estadual e dois procuradores públicos do Ministério Público.

Por exemplo, o Botafogo-PB foi uma das equipes que fez a proposta de conceder quitação para a longa-transmissão à Secretaria de Governo da Administração Estatal (Sejel-PB), que esperou durante esta semana uma determinada posição de governo. Em contato com o presidente Belo, Alexandre Cavalcanti, informando ge descobriu que o Clube Alvin não recebeu nenhuma resposta e ainda espera por um retorno da comissão responsável.

A indústria também disse que, nos últimos dias, não houve comunicação direta com o governo. O presidente Galo, Walter Cavalcanti Júnior, disse, ” todos seguem da mesma forma ” e que têm havido muitas dificuldades em fornecer uma solução para esta situação.

Todos seguirão da mesma forma. Há sempre um empecia. Com grande preocupação vejo a continuação do futebol paraibano-disse Walter. 2 de 3 Walter Cavalcanti Júnior, presidente 30-Foto: Reproductions/13

Walter Cavalcanti Júnior, presidente da terceira foto: Reprodução / treze

Além dos dois representantes dos já citados clubes, Alysson Lira, diretor de futebol do Atlético-PB, informou que nenhum acordo foi feito a partes de Troll Azul. O deputado Phelipe Cordeiro, presidente da Campinense, já foi informado de que o plano de execução até 2020 já foi apresentado e que ainda se esperava o parecer do Departamento Jurídico sobre o acordo de leniência.

Quando esta edição foi publicada, a votação em ge tentou contactar os representantes da National of Ducks, Sousa e São Paulo Crystal, com exceção dos representantes da Comissão responsáveis pelo acordo de leniência, e não conseguiu obter sucesso nas tentativas de repetição. Da mesma forma, isso também aconteceu com o CSP, que foi reduzido este ano.

Quem está livre do impasse, também encontra dificuldade

Somente as equipes Perilima e Sport-PB que disputaram a elite do futebol paraibano este ano conseguem o dinheiro que o governo ofereceu para o ano inteiro, que ainda está em batalha. Desde a semana passada Carneiro apresentou todo o necessário e solicitou comprovação de pagamento para a conta do clube.

A perilima confirmou que enviou todos os seus documentos no início desta semana de que o governo aceitou o acordo, mas ainda assim está com a sua procura de análise.

3 de 3 Realização de Campeonatos em Paraibano seguido por clubes não viáveis-Foto: Reprodução

Alcançando Campeonatos no Paraibano segue o que inviabilizar clubes-Foto: Proliferação

Descubra o quanto cada clube paraibano tem no estado Paraeba:

  • Botafogo-PB -3.233.410,00
  • Campinense -2.015.980,00
  • CSP -829.180,00
  • Atlético de Cajazeiras -780.620,00
  • Sousa -766,610,00
  • -766,610,00

  • 30 -618.370,00
  • Auto Esporte -599.950,00
  • Serrano-PB -564.770,00
  • Paraíba de Cajazeiras (hoje Paraíba de Itaporanga) -397.850.00
  • National of Ducks -223.800,00
  • Sport Guarabira -R$ 223.600,00
  • Santa Cruz de Santa Rita -211.300,00
  • Internacional-PB -208.760,00
  • Lucena (hoje São Paulo Crystal) -165.330,00
  • Os Esportes de Patos -R$ 139.200.00
  • A possibilidade de consentimento apareceu após o primeiro Campeonato do clube em Paraibano, que supostamente não tem condições financeiras para concorrer a um estado da próxima temporada, que não será apresentado durante todo o período sem a perspectiva de acontecer. Os representantes dos acordos recolheram que os fundos do programa Gol Gol, assim como o programa de incentivos ao esporte, iniciado em janeiro deste ano, seriam atrasados.

    O documento que cancela a participação da equipe foi assinado pelo Atlético-PB, Campinense, Nacional de Patos, Perilima, São Paulo Crystal, Sousa, e treze-com sucesso de não estatal. A exceção foi o Botafogo-PB, que até enviou representantes para a reunião, mas extraoficialmente, apenas como ouvintes.

    Leia mais notícias do esporte paraibano sobre o ge.globo/pb